Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Perdida por Lisboa

A capital vista pelos olhos de uma açoriana...

Perdida por Lisboa

01
Mar17

O bar mais bonito do mundo fica nos Açores

NNC

 

Cella Bar (2).jpg

                                                                                                                                Foto de Fernando Guerra

 

Eu sei que sou açoriana e sou suspeita para falar destas encantadoras ilhas. Mas acreditem! Não fui eu que o designei assim. Em menos de dois anos de existência, o Cella Bar, localizado na Vila da Madalena, na ilha do Pico, já ganhou fama mundial e até distinções. Em 2015, poucos meses depois de abrir, foi homenageado com um prémio da prestigiada plataforma online de arquitetura ArchDaily, onde foi considerado um dos mais bonitos espaços de hotelaria do mundo.

 

Na altura, escrevi sobre ele e hoje decidi recordar esse texto porque, nos últimos dias, a ilha montanha tem sofrido com o mau tempo e este conhecido espaço foi completamente arrasado pela força das ondas do mar. As imagens que me chegaram são devastadoras e o Cella Bar está irreconhecível, mas acredito que o Filipe Paulo e o Fábio Matos vão conseguir reerguer este projeto que de tanto orgulho enche os açorianos.

 

Cella Bar 1 (2).png

A história do Cella Bar

Dois amigos naturais do Pico, Açores, decidiram abrir um bar na Vila da Madalena. O objetivo de Filipe Paulo e Fábio Matos era dar à ilha um espaço que se destacasse a nível internacional, onde se pudesse conviver, petiscar e beber.

 

O que nunca pensaram foi que em menos de um ano o Cella Bar fosse notícia por todo o Mundo e distinguido pela ArchDaily, uma plataforma digital de divulgação e informação de arquitetura, como prémio de Edifício do Ano 2016 na categoria de Hospitalidade.

 

O tão afamado bar está dividido em dois espaços: um restaurante numa casa recuperada construída com pedra vulcânica e um bar de madeira de criptomérias feito de raiz e inspirado no vinho e no mar, obra de Fernando Coelho, da FCC Arquitetura.

                                                                                                 

O arquiteto conseguiu unir, de uma forma perfeita, a traça original da adega antiga com a estrutura contemporânea.

                                                                                                                                

A esplanada, no topo do bar, é também zona de destaque. Aí poderá desfrutar de tapas regionais com um bom vinho feito no Pico, de uma deslumbrante vista para a vizinha ilha do Faial e para os ilhéus ‘Deitado’ e ‘Em Pé’. Depois do pôr do sol pode sempre passar pelo restaurante, onde há pratos mais substanciais mas sempre com ligações à terra e ao mar açoriano. Pela noite dentro, há ainda licores de produção local para provar e, aos fins de semana, animação noturna que pode incluir música ao vivo ou karaoke.

 

Saiba mais sobre o Cella Bar no meu artigo publicado no site do Correio da Manhã aqui ou no artigo da revista Sexta aqui: Cella Bar 1.PDF

18
Jan17

Aldeia da Cuada, um óasis a meio caminho das Américas

NNC

 

É no extremo mais ocidental da Europa, entre as freguesias da Fajã Grande e da Fajãzinha, na paradisíaca ilha das Flores, nos Açores, que se localiza a Aldeia da Cuada. 


Um aldeamento turístico rural com 15 casas de pedra basáltica que mantêm a traça original, mas com mordomias atuais como o acesso gratuito a wi-fi e aquecimento, dando o conforto necessário para umas férias de sonho.

O respeito ao passado está porto do o lado. Cada casa tem o nome dos seus antigos proprietários, que nos anos 60 abandonaram esta aldeia em busca de uma vida melhor nos EUA. O palheiro do Fagundes, a casa da Esméria e a casa da Fátima são alguns exemplos desta aldeia, que fica situada sobre um planalto junto ao mar, com uma falésia recheadade cascatas por trás.

As casas estão separadas por prados onde algumas vacas parecem descansar. No ar, o cheiro a natureza intocável, sem poluição e veículos motorizados. Por vezes, o sol dá lugar à neblina que impõe ao lugar um ar ainda mais misterioso.

E, à noite, os cagarros (aves migratórias) dão o ar da sua graça e juntam-se ao cantar dos grilos.

Facilmente se percebe porque é que a Aldeia da Cuada foi eleita um dos 50 hotéis mais românticos do mundo pela revista ‘Travel and Leisure’.

 

Informações:

Facebook Aldeia da Cuada

Horário:

Morada: Fajã-Grande, Ilha das Flores, Açores

Tlf. : 292 590 040

 

Saiba mais sobre a Aldeia da Cuada no meu artigo publicado no site do Correio da Manhã aqui

 

 

27
Dez16

Petit Lille

NNC

 

 

Cosmopolita e bem situada a norte, Lille, a maior cidade da região de Nord-Pas de Calais (Norte de França) fica perto de tudo: a uma hora de Paris por TGV, a pouco mais de meia hora de Bruxelas (Bélgica) e a uma hora e meia de Londres (Inglaterra) pelo Canal da Mancha. Agora está também a 2h20 de Lisboa através da Easyjet.

 

Além da localização geográfica privilegiada, a cidade, com uma população de 1,2 milhões de habitantes, oferece uma boa rede de transportes, como a Navette, um autocarro que liga o aeroporto ao centro de Lille em apenas 15 minutos (10 € ida e volta).

 

A zona velha da cidade é calma e está recheada de pastelarias, cafés, restaurantes e lojas de luxo. Em 2016, Lille foi contemplada com o Europeu de Futebol que deu a taça de campeões a Portugal (Yiehhhh :)

 

Cemitério militar português em Richebourg l’Avoué

A cerca de 30 minutos de Lille, em Richebourg l’Avoué, há um cemitério que preserva a memória de 1831 (238 desconhecidos) soldados portugueses que morreram durante a I Guerra Mundial e que estavam sepultados noutros cemitérios franceses. Este cemitério militar, exclusivamente português, construído nos anos 30, e desenhado pelo arquiteto Tertuliano Lacerda Marques, integra ainda o Altar da Pátria, um grande memorial que pretende homenagear a memória dos portugueses que caíram em defesa do país.

 

Museu Lens-Louvre - Extensão de Paris a 40 quilómetros de Lille

tripadvisor.jpg

 

Em Lens, a 40 quilómetros da cidade de Lille, nasceu uma extensão do Museu do Louvre de Paris. O Louvre de Lens, que no último ano recebeu mais de um milhão de visitantes, está aberto seis dias por semana, com entrada gratuita à exceção das exposições temporárias. Na parede da sala principal do museu está impressa uma cronologia que ajuda os visitantes a localizarem no tempo cada uma das obras de arte. Pontualmente, o museu do Louvre de Nord-Pas de Calais recebe coleções do Museu do Louvre da capital francesa.

 

Onde comer e o que fazer

 

Brasserie Comptoir 44 - Restaurante central com menus de qualidade entre 17 e 34 euros.

Maison Meert  - Nasceu em 1761 – em 1980 foi classificada monumento histórico – e tem os melhores bolos e chocolates de Lille.

Placedu Général-de-Gaulle - Aproveite para apreciar a pacatez de Lille num dos cafés desta praça, também conhecida por Grand Place.

 

Para ler o meu artigo sobre Lille na revista Sexta, do Correio da Manhã, clique aqui: 

Lille1.PDF

Lile2.PDF

 

 

 

Quem é a 'Perdida'?

Perdida nas redes

Perdida no Facebook

Perdida na Zomato

Vê a minha história gastronómica na Zomato!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Follow