Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Perdida por Lisboa

A capital vista pelos olhos de uma açoriana...

Perdida por Lisboa

12
Jan18

Saikõ: sushi de fusão, sem confusão

Saikõ1.jpg

 

Hoje apresento-te o melhor restaurante de sushi de fusão de Lisboa: o Saikõ. E não me digas que não gostas de fusão. Porque aqui, tal como o chef Péricles Lacerda garante, “fusão, não é confusão”.

 

Mas vamos começar pelo início. Nove meses depois de terem aberto o primeiro espaço no Centro de Congressos do Estoril, Rita e Tiago Machado, em conjunto com o chef Péricles Lacerda – que trabalha esta iguaria japonesa há 14 anos -, decidiram trazer para Lisboa, mais precisamente para a Praça de Touros do Campo Pequeno, o mesmo conceito.

 

A decoração do espaço conquista pelo requinte, com pormenores japoneses simples e discretos que dão um toque de originalidade aos tons de dourado e branco da sala. Apesar de sofisticado, o ambiente é descontraído. Mas o sentido estético vai muito além da decoração. Durante toda a refeição a apresentação prima pela delicadeza e bom gosto.

 

 

A começar pelo gin de laranja caramelizada que, além de ter umas cores muito atraentes, estava graciosamente bem confecionado.

 

Começámos o jantar com o couvert do restaurante. Uma folha de endívia com pasta de salmão, molho sweet chilli, goma wakame e sésamo, acompanhada com Sunomono de pepino e edamame (soja verde em vagem), uma mistura de sabores bastante interessante.

 

 

 

Contudo, foi com as entradas que as minhas papilas gustativas começaram a salivar. O EBI Especial Saikõ - camarões panados envoltos em salmão braseado, ovas, micro ervas e molho do chef – e o Usuzukuri misto – três peixes marinados em molho ponzo, molho de ervas, sésamo e ovas -  provaram que no Saikõ só se usa produtos de alta qualidade e que a fusão aqui não é usada para esconder a falta de frescura do peixe, mas sim para dar texturas e sabores diferentes a cada peça.

 

 

 

A seguir veio um dos pratos principais e uma das maiores bombas sensoriais da refeição. O Gunkan Hotate (atum, maionese de gengibre, vieiras braseadas, ovas), Gunkan Shiromi (peixe branco, molho dengaku, picadinho de peixe branco, ovas) e o Gunkan Egg: um rolo de salmão braseado que esconde um ovo de codorniz que explode à primeira dentada.

 

Mas a criatividade não acaba por aqui. O Uramaki Hakusai não deixou dúvidas, foi em uníssono que ganhou o voto de prato preferido do jantar. Uma peça com combinações completamente improváveis, mas que rimam tão perfeitamente que é difícil de descrever. Leva pasta de salmão, envolvida em couve lombarda, queijo creme e polvilhada com flocos de milho tostados.

 

Por fim, ainda houve espaço para provar o Especial Saikõ que era composto por camarões panados, salmão braseado, maionese japonesa, pepino, ovas, cebolinho e molho tarê.

 

 

A única coisa que o Saikõ tem de melhorar é nas sobremesas. Apesar de estarem acima da média de sobremesas dos restaurantes japoneses, a elevada criatividade que sentimos durante todo o jantar não se espelha nesta parte da refeição. Provei a mousse de maracujá e o gelado de chá verde.

 

O preço médio é de 35 euros por pessoa, algo completamente justo para a qualidade dos produtos e do serviço. 

 

Saikō Campo Pequeno Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

Segue-me nas redes sociais:

Facebook | Instagram

 

21
Dez17

10 coisas para fazer no Inverno em Lisboa

31987236933_28ee8fbd57_b.jpg

                                                                                                                                                                                    Crédito foto: Xtraice/Visual Hunt

 

Preparado para os dias mais frios do ano? Não? Então fique com estas ideias para aquecer a alma nos meses de Inverno.

 

1 - Deslizar numa pista de gelo

Se gosta de deslizar e não tem medo de cair esta diversão é para si. Durante a época festiva há várias pistas de gelo espalhadas pela cidade para fazer as delícias de miúdos e graúdos.

Wonderland Lisboa -  De 1 de dezembro a 8 de janeiro, há um mercado no Parque Eduardo VII com uma roda gigante e uma pista de gelo para toda a família.

Alegro de Alfragide -  Até dia 10 de janeiro pode deslizar na pista de gelo deste centro comercial.

Dolce Vita Tejo, na Amadora -  Este centro comercial tem uma pista de gelo com 459 metros, capacidade para 60 pessoas. Há ainda aulas de grupo para quem quiser ficar pró.

Cascais Christmas Village - Até dia 1 de janeiro, Cascais vai ter um Jardim Mágico com pista de gelo, renas verdadeiras, um comboio mágico e um carrossel.

 

2 - Relaxar numa esplanada aquecida

Nada melhor do que aproveitar o Inverno solarengo numa esplanada aquecida enquanto aprecia uma das vistas de Lisboa. Vários estabelecimentos da capital têm já esplanadas com aquecedores exteriores e até mantas para ajudar a aquecer os clientes. O À Margem, em Belém, com vista para o rio Tejo, é um dos exemplos, assim como o Park, na Calçada do Combro.

 

3 - Aprender dançar

dance-378219_1920.jpg

Esta é altura ideal para aprender a dançar. Além de combater o frio, gasta as calorias dos chocolates quentes e das iguarias mais pesadas que muitas vezes comemos no inverno. Há imensas escolas e associações onde poderá aprender a dançar dependo dos seus gostos e da sua área de residência/trabalho. Eu acho um piadão à Academia Danças do Mundo. Fica no Arco do Cego e tem cursos e workshops até para os Pés de Chumbo.

 

4 - Visitar o Aqueduto das Águas Livres

Aproveite para visitar esta obra prima da engenharia hidráulica num dos dias em que a chuva dê uma brecha à capital. Este Monumento Nacional, construído entre 1731 e 1799, tem arcos tão fortes que resistiram ao sismo que abalou Lisboa em 1755. O percurso é visitável entre Campolide e o Parque Florestal de Monsanto e tem uma vista fantástica sobre a cidade. O bilhete custa 3€ a partir dos 13 anos. O aqueduto está aberto a visitas de terça-feira a sábado das 10h00 às 17h30. No primeiro sábado de cada mês, às 11h00, há visitas guiadas, mas tem de marcar previamente (218 100 215).

 

5 - Saborear uns scones quentinhos

Adoro scones. E no Inverno, com um chazinho, sabe mesmo bem, principalmente, se estiverem quentinhos. Os meus preferidos são os da cafetaria Spleen, na Rua Serpa Pinto, Chiado, e da Wish no LX Factory, em Alcântara ou no Largo da Trindade, no Chiado.

 

6 - Jogar Snooker no Príncipe Real

25564496_1971688716191715_1092672926_n.jpg

Junte os amigos e vá jogar snooker para o Pavilhão Chinês. Este bar caricato cheio de miniaturas e objetos de coleção da Segunda Guerra Mundial além de ter uma decoração super engraçada tem ótimos cocktails. Uma boa alternativa para os copos do Bairro Alto.

 

7 - Beber um copo de vinho quente

Esta tradição dos países do norte e centro da Europa chegou a Lisboa para ficar. Pode aquecer as suas noites com vinho quente no Le Chat, em Santos, ou no Fábulas, no Chiado. Mas aproveite porque esta bebida só é servida até à primavera.

 

8 - Ouvir Fado Vadio

N’ A Baiuca ou em qualquer outra casa de fado vadio em Alfama vai passar uma noite de inverno encantadora, cheia de alma e de identidade portuguesa. E quem sabe ainda encontra a Madonna =P

 

9 - Conhecer a coleção de máscaras de pele do Hospital dos Capuchos

No Salão Nobre do Hospital dos Capuchos existe uma coleção sobre dermatologia verdadeiramente assustadora. Há máscaras e outras partes do corpo, feitas em cera, que mostram o resultado das doenças que nos anos 40 do século passado marcaram o nosso País. Além dos objetos aterradores, que representam patologias como sífilis e outras doenças venéreas, as legendas das imagens são muito engraçadas: “J.Q., 53 anos, veio à consulta com uma balano postite [inflamação do prepúcio] e quem lhe pegou foi uma gaja da Rua do Carmo por 300 reais”.

 

10 - Explorar o Museu Calouste Gulbenkian

Além dos fantásticos jardins da Fundação Calouste Gulbenkian sobre os quais já falei aqui, esta fundação tem um dos melhores museus da Europa com cerca de 6 mil obras entre antiguidades e arte moderna. Se ficar com frio durante o passeio pode sempre beber um chá na cafetaria.

 

Segue-me nas redes sociais:

Facebook | Instagram

18
Dez17

A loucura da Uber EATS

UberEats.jpg

A Uber EATS chegou a Lisboa e foi a loucura. O sucesso foi tanto que a plataforma não conseguiu dar conta do recado e começou a receber queixas pelo tempo de demora de entrega que chegava a ser de quase 4h00.

 

Três semanas depois de ter começado a operar, o serviço parece ter estabilizado. Os carros da Uber estão também a fazer entregas para ajudar os colegas das motas da Uber EATS a dar conta dos pedidos a tempo.

 

Ainda não utilizei a Uber EATS, mas uma colega de trabalho foi a minha “cobaia” para encomendar McDonald's (o restaurante mais pedido pelos lisboetas) e correu tudo dentro do esperado. A app funciona muito bem, é intuitiva e, tal como o serviço de transporte da Uber, funciona com cartão de crédito, MBNet e Paypal. O pedido demorou cerca de 30 minutos (na app dizia entre 35 a 40) e a comida estava bem embalada e quente.

 

O único ponto negativo que tenho a apontar é que na minha zona de residência só há a possibilidade de encomendar fast food ou sushi, mas estou com esperança que em breve mais restaurantes adiram a esta app.

 

Uber solidária

A Uber Portugal associou-se este Natal à Re-food para que todas as famílias possam ter uma mesa mais completa.

 

Através do UberGiving os clientes da Uber EATS poderão contribuir com doações monetárias (a partir de 1€) para a Re-food Portugal. Para ajudar basta entrar no restaurante virtual Re-food da app e selecionar o valor que pretende doar através de elementos simbólicos no menu.

 

A iniciativa decorre entre o 12h00 e as 20h00 de 18 a 22 de dezembro e o montante angariado será revertido na totalidade para a Re-food Portugal.

 

Além desta campanha, os motoristas e parceiros da Uber vão também ajudar os voluntários da Re-food a recolher alimentos em bairros de Lisboa, Porto e Faro.

 

Para quem não conhece, a Re-food é um projeto humanitário conduzido por voluntários, que recolhem a comida que sobra nos restaurantes, supermercados, padarias, cafés, pastelarias, hotéis e distribuem por aqueles que necessitam.

 

Segue-me nas redes sociais:

Facebook | Instagram

11
Dez17

Um éclair XXL para a mesa de Natal

Parece um tronco de Natal mas é um éclair gigante que dá para (pelo menos) oito pessoas. Além do sabor, que mistura a leve e deliciosa massa choux de sempre da Leitaria da Quinta do Paço, com bolo de chocolate e chantilly, a cobertura tem bolo de noz, groselhas e tomilho.

 

Há ainda outra grande vantagem. É que não precisa de esperar pela ceia de Natal para o provar. Basta dirigir-se a uma das várias lojas da confeitaria: na Baixa do Porto, no Norte Shopping, no Bom Sucesso, na Baixa Chiado ou na mais recente loja de Benfica, em Lisboa.

 

Se quiser levar o formato XXL tem de reservar, contudo, se para si for suficiente o tamanho individual poderá provar o éclair natalício até dia ao Dia de Reis, 6 de janeiro. O tamanho XXL tem um custo de 25 €, enquanto que o tamanho mais pequeno custa 3,20 €.

 

A quase centenária Leitaria da Quinta do Paço habituou os clientes a edições especiais que marcam épocas festivas. A única constante é a delícia da iguaria, já que as receitas e os ingredientes nunca se repetem.

 

Segue-me nas redes sociais:

Facebook | Instagram

 

04
Dez17

S de sabor, simplicidade e saudade

Entrar no S Restaurante, junto ao largo do Rato, é como entrar numa casa portuguesa: reconfortante, acolhedora, simples e com um perfume a comida, cheia de sabor, que nos faz recordar a casa das nossas avós.

 

O nome não foi escolhido ao acaso. S significa isso mesmo:  sabor, simplicidade e saudade. E estas palavras tão bonitas não ficam só pelo espaço. É na comida, que a Chef Ilda Vinagre, vencedora de duas estrelas Michelin, no Brasil, faz com que elas se tornem ingredientes ainda mais significativas. No S, são servidas receitas tradicionais portuguesas, que alimentam o paladar, sem grandes malabarismos e que nos ficam na memória, tal como, os jantares de família.

 

Como entrada, experimentei umas empadinhas de perdiz de bradar aos céus -  quentinhas, com recheio suculento e massa bem confecionada – e uma salada de gorgonzola, mel e nozes que me deu ao paladar uma mistura de sabores bastante interessante. De seguida, foi o meu prato preferido de todo o jantar. Umas deliciosas pataniscas de camarão com um arroz de brócolos que convence até quem não gosta deste vegetal. Cinco estrelas para este prato!

 

A seguir, já com a barriga bem aconchegada, provei o bacalhau à Brás, que estava muito bom e umas bochechas de porco preto, que se desfaziam, mas que, na minha opinião, deviam estar mais temperadas. Infelizmente já não consegui experimentar o cozido de grão no tarro, mas não o vou perder numa próxima visita pois tem um ótimo aspeto.

 

Quanto às sobremesas, adorei o bolo de chocolate com redução de framboesas, mas a sericaia ficou aquém das expectativas.

 

Ponto positivo também para o atendimento simpático e para a qualidade/custo. O preço médio de um jantar no S é de 20€/pessoa.

 

S Restaurante Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

Segue-me nas redes sociais:

Facebook | Instagram

 

 

Quem é a 'Perdida'?

Perdida nas redes

Perdida no Facebook

Perdida na Zomato

Vê a minha história gastronómica na Zomato!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Follow