Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Perdida por Lisboa

A capital vista pelos olhos de uma açoriana...

Perdida por Lisboa

11
Fev19

Roma, um museu a céu aberto

IMG_3282 (Editado).JPG

 

O ano passado fui festejar o aniversário a Roma. E tive uma prenda fantástica! Acordei com a cidade coberta de neve. Algo raro, que tornou a viagem ainda mais mágica. Mas mesmo sem neve, a capital italiana é um encanto. Um autêntico museu a céu aberto, cheia de história e com uma gastronomia fantástica e barata.

 

A cidade eterna, como é conhecida desde a época da Roma Antiga (acredita-se que independentemente do que aconteça no mundo, Roma continuará a existir), é um ótimo destino para um fim-de-semana prolongado. Segue o roteiro para três dias:

 

Dia 1

 

Fontana di Trevi (Metro linha A – Barberini)

IMG_3347.JPG

É um dos monumentos mais conhecidos e mais imponentes de Roma. Se conseguires vai ao nascer do sol pois o jogo de luzes é fantástico e é a única altura do dia em que vais conseguir tirar uma foto sem centenas de turistas a lutar pelo mesmo espaço. Além de ser a maior fonte barroca de Itália, está recheada de curiosos detalhes. Na parte superior tem quatro estátuas que representam as estações do ano. Ao centro está Neptuno, que conduz um carro em forma de concha, puxado por dois cavalos marinhos (um tranquilo e outro irrequieto que representam a bipolaridade do mar e o estado de espírito humano). O chafariz em frente às esculturas simboliza o mar e as duas estátuas das laterais representam a abundância e a salubridade. A tradição manda que atires uma moeda de costas para a fonte para voltares a Roma.

 

Piazza Barberini (Metro linha A – Barberini)

É uma grande praça do século XVI, localizada no centro histórico da cidade, no monte Quirinal. No centro da mesma está a Fontana del Tritone, esculpida por Bernini.

 

Piazza della Repubblica (Metro linha A – Repubblica)

IMG_3110.JPG

É uma das principais e mais bonitas praças de Roma. Está rodeada por imponentes edifícios de um lado e um templo quase destruído do outro.  Ao seu redor tem imensos restaurantes e lojas onde vale a pena parar.

 

Transtevere – o bairro mais bonito de Roma (Tram 8)

Local ideal para almoçar e começar a tarde sem pressas. Tem igrejas antigas, lojas giras e restaurantes tradicionais. Aqui fica a Piazza di Santa Maria e a Basílica de Santa Maria Maggiore, que é a maior igreja mariana da cidade e foi a primeira do Ocidente dedicada ao culto de Maria. A entrada na basílica é gratuita e é feita entre as 7h00 e as 19h00.

 

Jardins da Villa Borghese (Metro linha A – Flaminio ou Piazza del Popolo)

É um dos maiores parques urbanos da Europa. Se fores com crianças é uma visita obrigatória. A entrada é gratuita e feita a qualquer hora do dia. No interior tens um dos museus mais importantes de Roma – Galleria Borghese (preços e horários aqui), o Zoo de Roma – Bioparco – onde a maioria dos animais foi salvo de circos, outros zoos ou situações ilegais (preços e horários aqui) e ainda o Silvano Toti Glove Theatre.

 

Dia 2

Coliseu (Metro linha B - Colosseo)

Como estava a nevar quando fui visitar o Coliseu o interior estava interdito a visitas. Mas quem entra diz que vale a pena. O bilhete custa 12€ no local e 19€ online. Apesar de ser mais caro, online podes agendar logo o horário e evitar filas. O Coliseu é o símbolo da Roma Imperial e é o maior anfiteatro alguma vez construído, conseguindo albergar até 80 mil pessoas. A sua edificação remonta a poucos anos depois de Cristo e era usado para combates de gladiadores e espetáculos públicos. Hoje, apesar de estar parcialmente destruído por guerras e terramotos, é considerado uma das 7 Maravilhas do Mundo

 

Arco de Constantino

À saída do Coliseu, antes do percurso para o Fórum Romano, fica o Arco de Constantino. Foi construído no ano 315 d.C. e celebra a vitória de Constantino na Batalha da Ponte Mílvio. Apesar dos anos, está em excelentes condições.

 

Fórum Romano

Com o mesmo bilhete do Coliseu podes visitar o Fórum Romano (8h30-18h30), uma praça em ruínas onde antigamente se centrava a vida pública da cidade. Aqui realizavam-se cerimónias importantes como eleições, discursos políticos e julgamentos.

 

Palatino

Tal como Lisboa, Roma tem sete colinas e esta é uma delas. Tem 70 metros de altura e nas suas encostas foram construídos o Fórum Romano e o Circo Máximo. Hoje em dia é um museu ao ar livre que podes visitar com o mesmo bilhete do Coliseu.

 

Monumento a Vittorio Emanuele II (Tram 8 – Piazza Venezia)

Monumento.jpg

Monumento construído em honra do primeiro Rei da Itália e pai da pátria italiana. Aqui consegues uma vista panorâmica da cidade gratuitamente entre as 9h30 e as 18h30. Na sua frente fica a Piazza Venezia, uma das mais centrais e com mais movimento de Roma. Do Coliseu ao Monumento a Vittorio Emanuele II são 10 minutos a pé.

 

Monte Capitolino (Metro linha B – Colosseo / Tram 8)

O Monte Campidoglio fica perto da Piazza Venezia e foi palco de atividades políticas e religiosas. Hoje em dia, abriga a Câmara Municipal de Roma, a Piazza del Campidoglio e os Museus Capitolino (9h30 às 18h30) onde poderás ver pinturas, esculturas e estátuas famosas. A entrada nos museus custa cerca de 15€. Sabe mais aqui

 

Piazza Navona

É uma das mais conhecidas praças de Roma e fica perto do Monumento a Vittorio Emanuele II. A sua forma assemelha-se à dos antigos estádios da Roma Antiga.

 

Pantheon

É o Panteão mais conhecido do mundo e é visitado, diariamente, por milhares de turistas. A parte mais bonita deste monumento é a cúpula que é de uma beleza e simplicidade inigualável. A entrada é gratuita e o melhor é consultares os horários aqui

 

Piazza di Spagna (Metro linha A – Spagna)

Ficou famosa pela sua escadaria com 135 degraus que sobe até à Igreja Trinità dei Monti. O cimo das escadas oferece uma das melhores vistas de Roma.

 

Piazza del Popolo (Metro linha A – Flaminio)

Nos tempos do Império, a praça do povo era a entrada da cidade, hoje é a ponta de saída para uma das maiores artérias comerciais de Roma: a Via del Corso. Aqui podes comprar de tudo, sapatos, roupa, produtos típicos e ainda comer um gelado na Venchi.

 

Dia 3

Vaticano (Metro linha A - Ottaviano, S. Pietro)

Vaticano 0.jpg

Se queres ir ao Vaticano, o país mais pequeno do mundo, com 440 metros quadrados e cerca de 800 habitantes, o melhor é ser logo de manhã e comprares os bilhetes online ou alugares o serviço de um guia (sabe mais aqui) E como ir a Roma e não ver o Papa não é a mesma coisa, o melhor é deixares este plano para um domingo ou quarta-feira (sabe mais aqui). Apesar de ser um país desde 1929, o Vaticano, que é a sede da igreja católica, fica dentro da capital italiana. Encontra-se delimitado por muros e é governado pelo Papa.

 

O que não podes perder Vaticano:

  • Praça de São Pedro (foto acima) - Foi desenhada por Bernini que, através de várias colunas que rodeiam a praça, quis criar o efeito de abraço, simbolizando a Igreja Mãe que acolhe todos e onde todos são bem-vindos (gratuito).
  • Museu do Vaticano - Vários museus dentro de um só, com valiosas coleções de arte colecionadas ao longo dos séculos pelos pontífices romanos. Aberto das 9h00 às 18h00 todos os dias, exceto ao domingo (16€).
  • Capela Sistina - É o local de encontro do Conclave (onde se escolhe o novo Papa) e onde, até agora, todos os Papas moravam. Francisco optou por morar na Casa Santa Marta, uma residência mais discreta, mas também localizada no Vaticano. A Capela Sistina tem dois grandes pontos de contemplação, pintados à mão. O teto, uma obra do pintor Michelangelo, que demorou quatro anos a finalizar. E a parede do altar que retrata ‘O Juízo Final’ e se assemelha ao ‘Inferno’ de Dante.
  • Basílica de São Pedro – A visita a este que é um dos maiores edifícios católicos de todo o mundo é gratuita e pode ser feita entre as 7h00 e as 19h00. Aqui são celebradas a maioria das cerimónias religiosas com a presença do Papa. No interior tem diversas capelas para oração, três naves principais, esculturas e até os túmulos dos anteriores papas. Na cúpula tens a melhor vista de Roma. A subida é penosa e não é aconselhada a pessoas com problemas cardíacos. Se optares pela ajuda de um elevador pagas 8€ e ainda vais ter de subir 320 degraus em caracol (horários aqui).

 

Castelo Sant'Angelo

Se não quiseres subir à cúpula da Basílica de São Pedro, não te preocupes. Este castelo, construído pelo Imperador Adriano e que serviu de fortaleza e proteção do Papa nos tempos de guerra, também te dá uma vista panorâmica de Roma. A melhor altura para o fazeres é ao pôr do sol. O castelo, que fica numa das saídas do Vaticano, está aberto das 9h30 às 18h30 e o bilhete custa 10€.

 

Alojamento:

Hotel Portamaggiore - quartos confortáveis e limpos, pequeno-almoço buffet e um restaurante no terraço. A localização é muito boa. Em frente ficam várias linhas de tram e a estação de metro Manzoni (linha A) fica a 10 min. Os preços rodam os 50€/noite.

 

Restaurantes e afins:

Restaurante1.jpg

  • Em Roma comes bem e barato. Mas vale a pena experimentar um restaurante mais conceituado. Eu fui ao Rosati. Os pratos são simples e cheios de sabor. Escolhi o Risotto alla Milanese e era ótimo (média 40€/ pessoa).
  • Er Buchetto – Há mais de 100 anos que este espaço serve sandes de carne de porco desossado (3/4€). Fica na Via del Viminale, junto à Piazza della Repubblica, tem três mesas e aqui, normalmente, só param locais.
  • Eataly – Há três lojas destas em Roma. Além de ter um pouco de tudo para comeres (pastas, pizza, sushi, sandes, gelados) é também um espaço de venda de produtos italianos artesanais, como chocolates, pastas, risotos, vinho, cerveja. Difícil é escolheres o que levar.
  • Gelados Venchi – Os melhores gelados italianos e com fama por todo o mundo. Só em Roma há 10 lojas. Eu fui à gelataria da Via del Corso e à do Aeroporto Fiumicino.

 

Transportes:

  • Roma Termini é a estação principal. Tem metro, tram, autocarros e comboios. A viagem de e para o aeroporto de autocarro dura 30 minutos e custa 5€.
  • Dentro da cidade aconselho o tram e o metro. Mas se organizares bem o dia consegues percorrer a cidade a pé e utilizar transportes uma a duas vezes/dia.
  • Cuidado com as malas, porque há alguns carteiristas, e em validar sempre o bilhete.

 

Atenção! Na maioria dos locais não podes entrar com guarda-chuva, mesmo que guardado na mala. O melhor é levares uma daquelas capas transparentes para a chuva.

22
Jan19

Kin, o asiático onde janta com um dragão

Sala1.jpg

 

Escolhi o Dia Mundial do Fetiche para ir ao Kin… calma… este não é um blog de ‘poucas vergonhas’  mas prometo que qualquer dia faço um post sobre as melhores sex shops de Lisboa…

 

Mas vamos então a este restaurante, que um dia foi apenas a sala asiática do Topo do Martim Moniz, mas que há uns meses ganhou uma identidade própria.

 

A decoração é bonita. Em contrastes azul-escuro e vermelho, com estruturas de metal e mesas de madeira, que dão ao espaço um ar urbano e industrial. Há luzes néon, cadeeiros orientais, almofadas com escamas e outros pormenores asiáticos como máscaras chinesas e vários Maneki Neko (gatos da sorte). Mas o que mais chama a atenção é o imponente dragão que serpenteia o teto por cima das mesas e ao qual vais querer tirar logo uma fotografia.

 

Contudo, quanto a este aspeto, na minha perspetiva, o Kin tem três falhas. Primeiro, apesar dos confortáveis sofás, a sala estava tão fria que o ambiente não era acolhedor. O segundo problema é o novelo de cabos desorganizados debaixo da mesa que me deixou sem saber onde colocar os pés. E por último, a vista. É que ao contrário do Topo, as grandes janelas do espaço dão para as traseiras do Hospital de São José. Não é nada agradável ver as ambulâncias a passar com as luzes acesas enquanto desfrutamos de uma boa refeição. Já que o Kin só serve jantares e não precisa de luz solar, por favor, tampem as janelas.

 

 

Quanto à refeição, o meu prato preferido foi a Sopa Laksa de Frango (com cogumelos, leite de côco e massa de arroz). Quente, picante, condimentada, ótima até na relação quantidade/preço: custa apenas 4 euros e é enorme. O que eu menos gostei foi o Bao de Porco (6 euros). A massa estava molhada e a carne pouco temperada. De seguida, provamos o tailandês Pad Thaï de gambas (15 euros), que estava bom, mas já comi melhores. E o indonésio Nasi Goreng de frango, que estava muito bom (14 euros).

 

Não conseguimos chegar às sobremesas porque estávamos já cheios. Fiquei curiosa com os chás quentes com álcool que da próxima vez irei experimentar.

 

Quanto ao atendimento achei simpático e prestável, sempre pronto a prestar esclarecimentos sobre os pratos.

 

Informações:

Preço médio: 40 euros para duas pessoas (tem Zomato Gold)

Horário: Todos os dias das 20h00 às 00h00. Fecha ao domingo

Morada: Centro Comercial Martim Moniz, na Praça do Martim Moniz

Kin Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

05
Dez18

Izanagi leva sushi e street food asiática às Docas

 

Não me lembro da última vez que jantei nas Docas, em Alcântara. Mas já vão uns bons anos. Por isso quando a Zomato me convidou para experimentar o novo japonês da cidade fiquei estupefacta com a morada do mesmo.

 

Fui com o pé atrás. Mas fiquei alegremente surpreendida. A esplanada com vista para o Tejo e o espaço decorado com gosto, em tons quentes e com madeira por todo o lado, chamaram-me logo a atenção. Pouco depois, percebi que a decoração não foi pensada ao acaso. Izanagi é o nome de um Deus da mitologia japonesa que está ligado à criação do fogo.

 

E como tal também isso se reflete na comida. Mais do que sushi, este novo projeto do grupo SushiCafé, leva-nos a viajar pelo encanto da street food japonesa, com pratos quentes feitos a pensar na partilha.

 

Quanto ao sushi, tenho de admitir que não fiquei deslumbrada. Mas achei piada ao Hamachi (fatias de lírio com azeite de trufa, yuku e sour cream), ao Robata mix (espetadas de lombo de novinho, espargos, salmão e buta abura) e, principalmente, ao Okonomiyaki ebi cheese, uma espécie de panqueca com legumes, calamares, camarão seco, bacon, tonkastu, nori e flakes de bonito (peixe) que mexem com o calor do prato. Um efeito que “primeiro se estranha e depois entranha” e que podes ver no Instagram do Perdida por Lisboa.

 

 

O que mais gostei de toda a experiência foram os cocktails de autor e as m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-a-s sobremesas. Apesar de serem, alegadamente, para partilhar (e as quantidades são dignas disso mesmo) vai querer comer as sobremesas sozinho de tão deliciosas que são. Adorei o Miso cheesecake, um cheesecake com caramelo de miso com maçã verde cozinhada em Favaios DOP e noz, mas foi o Freaky Asian Banana que me fez ficar com vontade de voltar ao Izanagi. É que eu nem gosto de banana, mas esta sobremesa é de bradar aos céus. Um conjunto de diferentes texturas e sabores que mistura tempura de banana com gelado de baunilha, caramelo miso, chantilly e m&m’s.

 

Informações:

Preço médio: 25 euros por pessoa

Horário: de terça-feira a domingo do 12h30 às 23h00. Fecha à segunda-feira.

Morada: Doca de Santo Amaro, Alcântara

 

Izanagi Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

05
Nov18

Brunch delicioso e saudável? É no Go Natural

45506146_2352401594781358_7935662870677684224_n.jp

 

Falar em brunch e em alimentação saudável era para mim, até há alguns dias, como água e azeite. Não podiam andar juntos, lado a lado, unidos num espaço.

 

Mas (e obrigada Zomato), no mês de setembro, descobri que há um local onde estes dois conceitos gastronómicos não só podem caminhar ‘side by side’ como são perfeitos quando andam de mãos dadas.

 

E é isso mesmo que o primeiro restaurante Go Natural, fora de um centro comercial, nos oferece.

 

No espaço, localizado na Rua do Loreto, no Chiado, além dos pratos de almoço e jantar saudáveis, há também pequenos-almoços e brunch sem glúten, sem corantes, nem conservantes, pensado da tua saúde e servido a qualquer hora do dia, todos os dias da semana.

 

O grande destaque vai para o brunch (1.ª foto) composto por um iogurte com granola e fruta, uma tosta de abacate e ovo, um croissant de cereais com queijo, manteiga e doce, um mini muffin, um sumo funcional e ainda uma bebida quente por 11.95 euros.

 

 

Contudo, se preferires construir o teu próprio brunch também o podes fazer. Há bowls com base de açaí, iogurte ou smoothie, umas tostas de cogumelos e espinafres salteados e mostarda maravilhosas, sumos naturais e bebidas vegetais, café e chás biológicos, scones de alfarroba e ainda pão e bolos sem glúten como é o caso do bolo de cenoura e laranja com cobertura de cacau e tâmaras, que é ótimo e, o meu preferido, o bolo de iogurte com recheio de framboesa e creme de caju e lima.

 

Tal como os restaurantes dos centros comerciais, este espaço da Go Natural é clean, simples e, como o próprio nome indica, natural. Há plantas verdadeiras para observar, ou até comprar, e lugar para cerca de 30 pessoas, o que na minha opinião é muito pouco para uma zona como o Chiado. Se conseguires lugar, senta-te à janela para desfrutares devagarinho destas iguarias enquanto observas o acelerado movimento da capital.

 

A Go Natural está a pensar abrir, ainda este ano, um espaço semelhante a este na Avenida da Igreja, em Alvalade.

 

 

Go Natural Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

30
Out18

10 coisas para fazer no Halloween em Lisboa

 

rawpixel-1084228-unsplash.jpg

                                                                                                                            Photo by rawpixel on Unsplash

 

O Dia das Bruxas é já amanhã por isso, tal como o ano passado, deixo aqui várias sugestões para fazeres em Lisboa no dia mais assustador do ano.

 

Dançar no meio de bruxas e zombies

Ellen Allien, Bem Sims, Jonas Kopp b2b Pfirter, Glove e Fvndo vão dar música na noite mais assustadora do ano no Pavilhão Carlos Lopes, no Parque Eduardo VII. O Halloween Lisbon Festival é organizado pela LX Music e os bilhetes custam 15 euros se comprares antes da festa nos promotores oficiais e na xceed.

 

Fiesta de Los Muertos

A Fábrica do Braço de Prata vai ter a festa de Halloween mais mexicana de Lisboa. A festa é inspirada no feriado mexicano, Dia de Los Muertos, que se assinala no dia 2 de novembro e vai contar com comida, disfarces e música tradicionais. As portas abrem às 20h00 para o jantar, que tem o custo de 20 euros para duas pessoas. Podes reservar através do email cozinhafbp@gmail.com ou do número 968 599 969. Já a festa tem um custo de 7.5 euros por pessoa mas se fores mascarado de Catrina ou Charro tens um desconto de 2.5 euros.

 

A traumatizada Laura

De 31 de outubro a 16 de novembro, por 20 euros, vai poder visitar o assustador Muzeum, na Escola Profissional Agrícola D. Dinis, na Pontinha. Quando chega a este museu alternativo, com uma sala de fuga, teatro imersivo e realidade aumentada e virtual, é recebido por Laura, uma criança traumatizada que pede para brincarem com ela…

 

A noite mais assustadora do ano no Hard Rock Cafe

Hard Rock Cafe Lisboa_Freakshake _halloween_2018 -

O Hard Rock Café Lisboa vai abrir as suas portas aos fantasmas, bruxas, aranhas e morcegos para receber a noite mais assustadora do ano. Para poder abanar o esqueleto, no dia 31 de outubro, a partir das 23h30, o espaço vai dar as boas à ‘The Spookiest Night’, com uma DJ Session e eleição do melhor disfarce da festa.

 

Um hotel muito sangrento

O Halloween no Hotel Evolution promete. A festa tem como mote a assustadora frase: ‘Troca o banho de espuma por um banho de sangue…’ por isso, resiste ao frio e vai, com a tua "melhor fatiota à noite mais sangrenta do ano. A festa, gratuita, começa às 22h00 e dura até às 2h00. Para mais informações e reservas clica aqui.

 

'The Phaton of Halloween' no Mercado

A festa mais exclusiva deste Dia das Bruxas vai realizar-se no Estúdio Time Out, no Cais do Sodré, com o tema ‘Fantasma da Ópera' e conta com muita música e performances relacionadas com esta famosa obra. A festa começa às 23h00 e tem o valor de entrada de 15 euros, com direito a welcome drink e máscara alusiva ao tema do evento.

 

Maior desfile de Lisboa dedicado ao Dia das Bruxas

É na freguesia do Areeiro que se vai realizar, pelo 5º ano consecutivo, o maior desfile de Lisboa dedicado ao Dia das Bruxas. A partir das 21h00, de dia 31 de outubro, a Lisboa Halloween Parade vai invadir a Avenida Guerra Junqueiro, a Praça de Londres, a Avenida de Roma e a Avenida João XXI. O evento conta com animação, música e petiscos inspirados nesta data. A participação é gratuita e há prémios para as melhores fantasias.

 

Boooo... no Jardim Zoológico

2881cfd15ee292ed1f5df6c5682a5ff4-754x394.jpg

 

Se preferes comemorar o Dia das Bruxas durante o dia, também há planos para ti e para toda a família. Nos dias 31 de outubro e 1 de novembro, o Jardim Zoológico vai assinalar o Halloween com uma oficina de produção de pega-monstros, trilhos assustadores pelo reptilário, entre outras surpresas. As crianças até aos 12 anos não pagam entrada, desde que totalmente mascaradas e acompanhada por dois adultos que paguem bilhete.

 

Uma caminhada & uma queimada

A cerca de 1 hora de Lisboa, em Setúbal, há uma caminhada seguida de queimada, organizada pela Tãlentos Team e Passeios Pedestres de Setúbal. O evento começa às 20h30 em frente à Loja do Cidadão, na Avenida Luísa Todi. De seguida, pelas 00h00, realiza-se uma queimada galega na Bardo Taverna Medieval. As inscrições podem ser feitas através do Facebook e custam 10 euros.

 

Um passeio pela misteriosa Sintra

Na misteriosa vila de Sintra a caminhada é só para mascarados, por isso veste o teu fato mais assustador e prepara-te para um passeio pela vila e pelos sinistros caminhos da serra, cheio de sustos, lendas e travessuras. A caminhada começa às 20h30, no adro da Igreja de São Martinho e vai durar cerca de três horas e oito quilómetros. As inscrições, que devem ser feitas através do email lynxtravel11@gmail.com, custam 7.5 euros.

Quem é a 'Perdida'?

Perdida nas redes

Perdida no Facebook

Perdida na Zomato

Vê a minha história gastronómica na Zomato!

Perdida pelo Instagram

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.