Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Perdida por Lisboa

A capital vista pelos olhos de uma açoriana...

Perdida por Lisboa

17
Abr19

Jantar numa Varanda Azul com vista Tejo

 

O Varanda Azul, no Restelo, abriu com uma nova gerência há cerca de dois meses. Não o conheci nas mãos dos anteriores proprietários, mas uma coisa te digo: neste momento, está muito bem entregue.

 

O estabelecimento está localizado nas instalações do Estádio do Restelo e tem uma vista incrível sobre o rio Tejo e Ponte 25 de Abril. Fica a dica para, no verão, reservares uma mesa na esplanada.

 

No dia em que lá jantei chovia, por isso ficamos no interior. A decoração é simples, mas com apontamentos engraçados. O staff muito simpático e atento apresentou com preceito o menu contemporâneo e diversificado.

 

Primeiro fomos recebidos com um couvert delicioso composto por Pão&Tostas (de Mafra e de abóbora e noz), uma pasta de azeitonas e alcaparras (Tapenade Enfrascada) muito boa mesmo, uma manteiga de ervas e outra de tomate seco e ainda um azeite aromatizado.

 

 

De seguida, foi nos apresentado um dos meus pratos preferidos da refeição: O Tataki na Província de Kochi. Ou seja, um atum otimamente braseado, com sementes de sésamo e uma espécie de puré abacate muito boa.

 

Para prato principal escolhemos o T-Bone (Aroquesa DOP) com maturação de 20 dias, acompanhado de batata-frita. A carne estava suculenta e no ponto e as batatas eram caseiras (apetece-me bradar aos céus quando isto acontece… é tão raro e tão bom).

 

Para o doce final escolhemos o Crème Brulée e Aguardente de Mel e o Banana e Caramelo Salgado. Apesar de não gostar de banana, adorei esta sobremesa. O caramelo salgado, a nata e o crumble são divinais. Arrisco-me e sugerir à gerência que faça um igualzinho, mas sem fruta  

 

Informações:

Preço Médio: 45€ para duas pessoas (tem Zomato Gold)

Horário: Aberto todos os dias, menos à segunda-feira. Ao almoço o Varanda Azul está aberto do 12h30 às 15h00, já o jantar é servido das 19h30 às 23h00.

Morada: Estádio do Restelo, Avenida do Restelo, Restelo, Lisboa

 

Varanda Azul - DEaR Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

08
Abr19

Rio Maravilha, onde "o rio é bonito pra c#&%lho"

RioMaravilha.jpg

 

É debruçado sobre o Tejo, com a Ponte 25 de abril ao lado e o Cristo Rei em frente, que o Rio Maravilha se ergue. Um gastrobar que abriu há cerca de quatro anos, no espaço onde antigamente conviviam os trabalhadores da  Companhia de Fiação Lisbonense, no LX Factory, e que desde essa altura atrai por dia centenas de lisboetas e turistas.

 

A vista é deslumbrante e faz jus ao nome. Mas, o Tejo não é o único homenageado e nas janelas de uma das salas de jantar está mesmo isso impresso: "o rio é bonito pra c#&%lho". Além desta icónica frase, atribuída ao escritor Paulo Lins, autor do livro 'Cidade de Deus', o Rio de Janeiro está presente na decoração e no menu deste espaço que alia comida e bebida de autor. As cadeiras estão forradas com padrões coloridos, no teto há globos e barcos e nas mesas ora projeções multimédia ora jogos de tabuleiro. E até o WC tem uma banheira com projeções em vez de um simples lavatório. 

 

Fui lá jantar uma vez, ainda era o Chef Diogo Noronha que tomava conta das panelas e achei que a comida não acompanhava a beleza do espaço, não fiquei mesmo nada impressionada. Contudo, recentemente, voltei por duas vezes para beber um copo e fiquei curiosa com o novo menu a cargo do Chef Hugo Castro. Numa olhadela rápida pela ementa reparei que o conceito do espaço continua a ser o mesmo, misturar entradas com pratos principais, o que me agrada imenso, mas com novas sugestões que colocaram o meu paladar a salivar como o bao de caranguejo casca-mole e caril vermelho e o entrecôte e anticucho. 

 

Os cocktails de autor são fantásticos, provei um com álcool e outro sem álcool e adorei ambos.

 

De sublinhar ainda a postura do staff que, mesmo quando o espaço está super cheio, com portugueses e turistas a lutar pelo melhor lugar na esplanada, é simpático e sorridente.

 

Informações:

Preço médio: jantar - 50€ para duas pessoas; cocktails de assinatura -9€/10€

Horário: aberto todos os dias menos à segunda do 12h30 até pelo menos às 00h00

Morada: Lx Factory, Rua Rodrigues Faria, 103, Entrada 3, Piso 4, Alcântara

 

Rio Maravilha Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

22
Mar19

10 coisas que tens mesmo de fazer esta Primavera em Lisboa

florin-tomozei-476232-unsplash.jpg                                                                                                                Photo by Florin Tomozei on Unsplash

 

A Primavera chegou e com ela mil e um planos ao ar livre (e não só) para fazeres em Lisboa. Não deixes que o pólen e as alergias te parem! Aproveita cada momento desta colorida estação para conheceres ainda melhor a capital portuguesa e tudo o que ela te oferece. Se não sabes por onde começar, aqui ficam 10 coisas que não podes mesmo perder:

 

1.Visitar a exposição mais vista da National Geographic

Se és fã de animais e de fotografia não podes mesmo perder a exposição Photo Ark – A Nova Arca de Noé. É a mais visitada da National Geographic em todo o mundo, conta com mais de 100 fotografias de Joel Sartore e vai estar até maio na Cordoaria Nacional. O bilhete custa 9€ para adultos e 5€ para crianças. Para saberes mais clica aqui

 

2.Relaxar no terraço da Pollux

Com a chegada do bom tempo começa a corrida às esplanadas e terraços da capital. O difícil encontrar uma mesa com cadeiras disponíveis para usufruir dos aconchegantes raios solares primaveris. Mas vou contar-te um segredo. No último andar da loja da Pollux, em plena Baixa Pombalina, há um terraço escondido com uma das melhores vistas de Lisboa. Chama-se Less e está aberto todos os dias, menos ao domingo e aos feriados, das 10h às 19h00.

 

3.Passear pelo Jardim do Rio e jantar em Cacilhas

Almada.jpg

 

Quem passeia pelo Cais do Sodré não se apercebe que da outra margem do rio há um jardim onde as cestas de piquenique escondem pedidos de namoro e beijinhos. O Jardim do Rio (foto acima) refugia-se entre a falésia de Almada e o Tejo. Para lá chegar é preciso passar pelas ruas cheias de história de Almada velha e pela Boca do Vento. Ao descer a encosta, Lisboa começa a revelar toda a sua beleza perante a Margem Sul. E é ao pôr-do-sol que este jardim ribeirinho oferece toda a sua graça. A brisa do Tejo e o cheiro da relva tornam-se mais intensos, assim como as cores dos telhados e dos edifícios da capital se tornam ainda mais bonitos. O lusco-fusco dá-nos a sensação que tempo parou e até os veleiros que navegam no Tejo parecem avançar em câmara lenta, uma comunhão que nos apazigua os sentidos. Quando a fome começar a apertar, dá um saltinho a Cacilhas. Há inúmeros restaurantes a preços apetecíveis com peixe e marisco acabado de sair do mar.

 

4. Assistir a um espetáculo imersivo sobre a história de Portugal nas Ruínas do Carmo

As Ruínas da Igreja do Carmo vão voltar a receber o espetáculo de projeções sobre a história de Portugal - Lisbon Under Stars - que o ano passado recebeu mais de 30 mil visitantes e foi considerado o Melhor Evento Cultural de 2018. O evento volta de 2 de maio a 17 de junho, das 21h30 às 22h45, e conta com uma mistura de projeções multimédia, bailarinos virtuais e efeitos visuais com uma banda sonora constituída por músicas de artistas portugueses como Zeca Afonso, Amália Rodrigues e Salvador Sobral. Os bilhetes custam 15€, mas se comprares já podes ter um desconto (sabe mais aqui).

 

5.Descer às Galerias Romanas da Rua da Prata

É das visitas mais esperadas e procuradas da capital e os bilhetes esgotam num ápice, por isso fica atento às datas, divulgadas na página de Facebook do Museu de Lisboa, se queres conhecer este local emblemático. As visitas realizam-se nos dias 29, 30 e 31 de março, entre as 10h e as 19h e são sujeitas a marcação prévia. A inscrição custa 2€.

 

6.Conhecer as novas crias do Zoo de Lisboa

 

Primavera é sinónimo de nascimentos, por isso se ficas derretido com animais bebés, a melhor altura para (re)visitares o Jardim Zoológico de Lisboa é esta. Em breve há novidades, mas para já tens três novas crias de pinguim-do-cabo que prometem aquecer até os corações mais frios. Recorda aqui o post que escrevi sobre esta Arca de Noé.

 

7.Ver como funciona o cérebro na Gulbenkian

Além dos fantásticos jardins sobre os quais já te falei aqui e que convidam a um passeio primaveril, a Fundação Calouste Gulbenkian recebe esta Primavera a divertida mostra ‘Cérebro: Mais vasto que o Céu’. A exposição está patente todos os dias, exceto às terças, entre as 10h e as 18h, até dia 10 de junho e conta com um cérebro com 500 milhões de anos, um cérebro moderno, dois neurónios gigantes e vários jogos. A entrada custa 5€.

 

8. Andar de trotinete (com 50% de desconto)

gabriel-alenius-1242626-unsplash.jpg

                                                                                                                                                                                 Photo by Gabriel Alenius on Unsplash

 

Nos últimos meses Lisboa foi invadida por trotinetes. Polémicas à parte, a verdade é que é bem divertido dar uma voltinha de trotinete pela capital. E agora, se estacionares nos locais corretos, tens 50% de desconto nas trotinetes da Flash.

 

9.Exercitar o corpo (e a alma) no Jamor

Veste o fato de treino e calça os ténis porque o Parque Urbano do Jamor é um autêntico ginásio ao ar livre. Tem pistas para correres entre as zonas verdes, aparelhos de exercício e até uma zona de recreio para os mais pequenos. E o melhor? Tudo gratuito.

 

10. Caminhar pelo Jardim Botânico de Lisboa

Vegetação, árvores e muitas flores é o que te reserva o Jardim Botânico de Lisboa nesta altura do ano. Este espaço verde de 4 mil hectares, com cerca de 1500 espécies botânicas diferentes, e localizado no Príncipe Real foi construído entre 1873 e 1878. Recentemente foi alvo de obras que o tornaram ainda mais bonito. O Jardim Botânico está aberto todos os dias das 9h às 17, de outubro a março, e das 9h às 20h de abril a outubro.

 

15
Mar19

Treestory: Foodporn da Geórgia em Lisboa

 

Há uns meses nasceu em Lisboa, perto do Marquês de Pombal, o primeiro restaurante georgiano da capital portuguesa: o Treestory.

 

Fiquei curiosa por isso aproveitei que tinha um prato de oferta com a Zomato Gold (Para teres 25% de desconto na tua adesão coloca o código: PERDIDW) convidei duas amigas e lá fomos nós experimentar.

 

Quando chegamos não ficamos lá muito impressionadas. A decoração do espaço, na nossa opinião, não é a mais bonita. Comentamos logo que parecia uma pastelaria ou café de esquina. Contudo, ainda bem que ficamos porque o Treestory acabou por nos conquistar.

 

Apesar do staff não falar corretamente português é esforçado e simpático e fez boas recomendações para o jantar. Decidimos partilhar vários pratos, não percebi se este é o conceito do restaurante, mas correu muito bem.

 

A tarte Gúria, uma tarte quente, fechada em forma de barco, com (muito) queijo e ovo custa apenas 8€, é maravilhosa. De seguida, pedimos as batatas à moda da Geórgia (7€) e a carne em molho de nozes com especiarias, que vem servida com arroz e custa 18€. Para sobremesa, apesar da montra ter bolos com um aspeto delicioso, optamos pela mais tradicional, a Baklava (5€), que é um tipo um pastel de massa filo, balhado em mel e que no interior tem uma pasta de nozes trituradas.

 

No dia que fomos ao Treestory estava a chover, mas o restaurante tem uma esplanada das traseiras muito agradável para os dias de Primavera que estão aí.

 

Informações:

Preço médio: 35€ para duas pessoas (tens um prato de oferta com a Zomato Gold)

Horário: Está aberto todos os dias, mas tem vários horários. Consulta aqui

Morada: Rua Luciano Cordeiro, 46 A, Lisboa

 

Treestory Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

11
Fev19

Roma, um museu a céu aberto

IMG_3282 (Editado).JPG

 

O ano passado fui festejar o aniversário a Roma. E tive uma prenda fantástica! Acordei com a cidade coberta de neve. Algo raro, que tornou a viagem ainda mais mágica. Mas mesmo sem neve, a capital italiana é um encanto. Um autêntico museu a céu aberto, cheia de história e com uma gastronomia fantástica e barata.

 

A cidade eterna, como é conhecida desde a época da Roma Antiga (acredita-se que independentemente do que aconteça no mundo, Roma continuará a existir), é um ótimo destino para um fim-de-semana prolongado. Segue o roteiro para três dias:

 

Dia 1

 

Fontana di Trevi (Metro linha A – Barberini)

IMG_3347.JPG

É um dos monumentos mais conhecidos e mais imponentes de Roma. Se conseguires vai ao nascer do sol pois o jogo de luzes é fantástico e é a única altura do dia em que vais conseguir tirar uma foto sem centenas de turistas a lutar pelo mesmo espaço. Além de ser a maior fonte barroca de Itália, está recheada de curiosos detalhes. Na parte superior tem quatro estátuas que representam as estações do ano. Ao centro está Neptuno, que conduz um carro em forma de concha, puxado por dois cavalos marinhos (um tranquilo e outro irrequieto que representam a bipolaridade do mar e o estado de espírito humano). O chafariz em frente às esculturas simboliza o mar e as duas estátuas das laterais representam a abundância e a salubridade. A tradição manda que atires uma moeda de costas para a fonte para voltares a Roma.

 

Piazza Barberini (Metro linha A – Barberini)

É uma grande praça do século XVI, localizada no centro histórico da cidade, no monte Quirinal. No centro da mesma está a Fontana del Tritone, esculpida por Bernini.

 

Piazza della Repubblica (Metro linha A – Repubblica)

IMG_3110.JPG

É uma das principais e mais bonitas praças de Roma. Está rodeada por imponentes edifícios de um lado e um templo quase destruído do outro.  Ao seu redor tem imensos restaurantes e lojas onde vale a pena parar.

 

Transtevere – o bairro mais bonito de Roma (Tram 8)

Local ideal para almoçar e começar a tarde sem pressas. Tem igrejas antigas, lojas giras e restaurantes tradicionais. Aqui fica a Piazza di Santa Maria e a Basílica de Santa Maria Maggiore, que é a maior igreja mariana da cidade e foi a primeira do Ocidente dedicada ao culto de Maria. A entrada na basílica é gratuita e é feita entre as 7h00 e as 19h00.

 

Jardins da Villa Borghese (Metro linha A – Flaminio ou Piazza del Popolo)

É um dos maiores parques urbanos da Europa. Se fores com crianças é uma visita obrigatória. A entrada é gratuita e feita a qualquer hora do dia. No interior tens um dos museus mais importantes de Roma – Galleria Borghese (preços e horários aqui), o Zoo de Roma – Bioparco – onde a maioria dos animais foi salvo de circos, outros zoos ou situações ilegais (preços e horários aqui) e ainda o Silvano Toti Glove Theatre.

 

Dia 2

Coliseu (Metro linha B - Colosseo)

Como estava a nevar quando fui visitar o Coliseu o interior estava interdito a visitas. Mas quem entra diz que vale a pena. O bilhete custa 12€ no local e 19€ online. Apesar de ser mais caro, online podes agendar logo o horário e evitar filas. O Coliseu é o símbolo da Roma Imperial e é o maior anfiteatro alguma vez construído, conseguindo albergar até 80 mil pessoas. A sua edificação remonta a poucos anos depois de Cristo e era usado para combates de gladiadores e espetáculos públicos. Hoje, apesar de estar parcialmente destruído por guerras e terramotos, é considerado uma das 7 Maravilhas do Mundo

 

Arco de Constantino

À saída do Coliseu, antes do percurso para o Fórum Romano, fica o Arco de Constantino. Foi construído no ano 315 d.C. e celebra a vitória de Constantino na Batalha da Ponte Mílvio. Apesar dos anos, está em excelentes condições.

 

Fórum Romano

Com o mesmo bilhete do Coliseu podes visitar o Fórum Romano (8h30-18h30), uma praça em ruínas onde antigamente se centrava a vida pública da cidade. Aqui realizavam-se cerimónias importantes como eleições, discursos políticos e julgamentos.

 

Palatino

Tal como Lisboa, Roma tem sete colinas e esta é uma delas. Tem 70 metros de altura e nas suas encostas foram construídos o Fórum Romano e o Circo Máximo. Hoje em dia é um museu ao ar livre que podes visitar com o mesmo bilhete do Coliseu.

 

Monumento a Vittorio Emanuele II (Tram 8 – Piazza Venezia)

Monumento.jpg

Monumento construído em honra do primeiro Rei da Itália e pai da pátria italiana. Aqui consegues uma vista panorâmica da cidade gratuitamente entre as 9h30 e as 18h30. Na sua frente fica a Piazza Venezia, uma das mais centrais e com mais movimento de Roma. Do Coliseu ao Monumento a Vittorio Emanuele II são 10 minutos a pé.

 

Monte Capitolino (Metro linha B – Colosseo / Tram 8)

O Monte Campidoglio fica perto da Piazza Venezia e foi palco de atividades políticas e religiosas. Hoje em dia, abriga a Câmara Municipal de Roma, a Piazza del Campidoglio e os Museus Capitolino (9h30 às 18h30) onde poderás ver pinturas, esculturas e estátuas famosas. A entrada nos museus custa cerca de 15€. Sabe mais aqui

 

Piazza Navona

É uma das mais conhecidas praças de Roma e fica perto do Monumento a Vittorio Emanuele II. A sua forma assemelha-se à dos antigos estádios da Roma Antiga.

 

Pantheon

É o Panteão mais conhecido do mundo e é visitado, diariamente, por milhares de turistas. A parte mais bonita deste monumento é a cúpula que é de uma beleza e simplicidade inigualável. A entrada é gratuita e o melhor é consultares os horários aqui

 

Piazza di Spagna (Metro linha A – Spagna)

Ficou famosa pela sua escadaria com 135 degraus que sobe até à Igreja Trinità dei Monti. O cimo das escadas oferece uma das melhores vistas de Roma.

 

Piazza del Popolo (Metro linha A – Flaminio)

Nos tempos do Império, a praça do povo era a entrada da cidade, hoje é a ponta de saída para uma das maiores artérias comerciais de Roma: a Via del Corso. Aqui podes comprar de tudo, sapatos, roupa, produtos típicos e ainda comer um gelado na Venchi.

 

Dia 3

Vaticano (Metro linha A - Ottaviano, S. Pietro)

Vaticano 0.jpg

Se queres ir ao Vaticano, o país mais pequeno do mundo, com 440 metros quadrados e cerca de 800 habitantes, o melhor é ser logo de manhã e comprares os bilhetes online ou alugares o serviço de um guia (sabe mais aqui) E como ir a Roma e não ver o Papa não é a mesma coisa, o melhor é deixares este plano para um domingo ou quarta-feira (sabe mais aqui). Apesar de ser um país desde 1929, o Vaticano, que é a sede da igreja católica, fica dentro da capital italiana. Encontra-se delimitado por muros e é governado pelo Papa.

 

O que não podes perder Vaticano:

  • Praça de São Pedro (foto acima) - Foi desenhada por Bernini que, através de várias colunas que rodeiam a praça, quis criar o efeito de abraço, simbolizando a Igreja Mãe que acolhe todos e onde todos são bem-vindos (gratuito).
  • Museu do Vaticano - Vários museus dentro de um só, com valiosas coleções de arte colecionadas ao longo dos séculos pelos pontífices romanos. Aberto das 9h00 às 18h00 todos os dias, exceto ao domingo (16€).
  • Capela Sistina - É o local de encontro do Conclave (onde se escolhe o novo Papa) e onde, até agora, todos os Papas moravam. Francisco optou por morar na Casa Santa Marta, uma residência mais discreta, mas também localizada no Vaticano. A Capela Sistina tem dois grandes pontos de contemplação, pintados à mão. O teto, uma obra do pintor Michelangelo, que demorou quatro anos a finalizar. E a parede do altar que retrata ‘O Juízo Final’ e se assemelha ao ‘Inferno’ de Dante.
  • Basílica de São Pedro – A visita a este que é um dos maiores edifícios católicos de todo o mundo é gratuita e pode ser feita entre as 7h00 e as 19h00. Aqui são celebradas a maioria das cerimónias religiosas com a presença do Papa. No interior tem diversas capelas para oração, três naves principais, esculturas e até os túmulos dos anteriores papas. Na cúpula tens a melhor vista de Roma. A subida é penosa e não é aconselhada a pessoas com problemas cardíacos. Se optares pela ajuda de um elevador pagas 8€ e ainda vais ter de subir 320 degraus em caracol (horários aqui).

 

Castelo Sant'Angelo

Se não quiseres subir à cúpula da Basílica de São Pedro, não te preocupes. Este castelo, construído pelo Imperador Adriano e que serviu de fortaleza e proteção do Papa nos tempos de guerra, também te dá uma vista panorâmica de Roma. A melhor altura para o fazeres é ao pôr do sol. O castelo, que fica numa das saídas do Vaticano, está aberto das 9h30 às 18h30 e o bilhete custa 10€.

 

Alojamento:

Hotel Portamaggiore - quartos confortáveis e limpos, pequeno-almoço buffet e um restaurante no terraço. A localização é muito boa. Em frente ficam várias linhas de tram e a estação de metro Manzoni (linha A) fica a 10 min. Os preços rodam os 50€/noite.

 

Restaurantes e afins:

Restaurante1.jpg

  • Em Roma comes bem e barato. Mas vale a pena experimentar um restaurante mais conceituado. Eu fui ao Rosati. Os pratos são simples e cheios de sabor. Escolhi o Risotto alla Milanese e era ótimo (média 40€/ pessoa).
  • Er Buchetto – Há mais de 100 anos que este espaço serve sandes de carne de porco desossado (3/4€). Fica na Via del Viminale, junto à Piazza della Repubblica, tem três mesas e aqui, normalmente, só param locais.
  • Eataly – Há três lojas destas em Roma. Além de ter um pouco de tudo para comeres (pastas, pizza, sushi, sandes, gelados) é também um espaço de venda de produtos italianos artesanais, como chocolates, pastas, risotos, vinho, cerveja. Difícil é escolheres o que levar.
  • Gelados Venchi – Os melhores gelados italianos e com fama por todo o mundo. Só em Roma há 10 lojas. Eu fui à gelataria da Via del Corso e à do Aeroporto Fiumicino.

 

Transportes:

  • Roma Termini é a estação principal. Tem metro, tram, autocarros e comboios. A viagem de e para o aeroporto de autocarro dura 30 minutos e custa 5€.
  • Dentro da cidade aconselho o tram e o metro. Mas se organizares bem o dia consegues percorrer a cidade a pé e utilizar transportes uma a duas vezes/dia.
  • Cuidado com as malas, porque há alguns carteiristas, e em validar sempre o bilhete.

 

Atenção! Na maioria dos locais não podes entrar com guarda-chuva, mesmo que guardado na mala. O melhor é levares uma daquelas capas transparentes para a chuva.

Quem é a 'Perdida'?

Perdida nas redes

Perdida no Facebook

Perdida na Zomato

Vê a minha história gastronómica na Zomato!

Perdida pelo Instagram

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.