Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Perdida por Lisboa

A capital vista pelos olhos de uma açoriana...

Perdida por Lisboa

12
Jan18

Saikõ: sushi de fusão, sem confusão

Saikõ1.jpg

 

Hoje apresento-te o melhor restaurante de sushi de fusão de Lisboa: o Saikõ. E não me digas que não gostas de fusão. Porque aqui, tal como o chef Péricles Lacerda garante, “fusão, não é confusão”.

 

Mas vamos começar pelo início. Nove meses depois de terem aberto o primeiro espaço no Centro de Congressos do Estoril, Rita e Tiago Machado, em conjunto com o chef Péricles Lacerda – que trabalha esta iguaria japonesa há 14 anos -, decidiram trazer para Lisboa, mais precisamente para a Praça de Touros do Campo Pequeno, o mesmo conceito.

 

A decoração do espaço conquista pelo requinte, com pormenores japoneses simples e discretos que dão um toque de originalidade aos tons de dourado e branco da sala. Apesar de sofisticado, o ambiente é descontraído. Mas o sentido estético vai muito além da decoração. Durante toda a refeição a apresentação prima pela delicadeza e bom gosto.

 

 

A começar pelo gin de laranja caramelizada que, além de ter umas cores muito atraentes, estava graciosamente bem confecionado.

 

Começámos o jantar com o couvert do restaurante. Uma folha de endívia com pasta de salmão, molho sweet chilli, goma wakame e sésamo, acompanhada com Sunomono de pepino e edamame (soja verde em vagem), uma mistura de sabores bastante interessante.

 

 

 

Contudo, foi com as entradas que as minhas papilas gustativas começaram a salivar. O EBI Especial Saikõ - camarões panados envoltos em salmão braseado, ovas, micro ervas e molho do chef – e o Usuzukuri misto – três peixes marinados em molho ponzo, molho de ervas, sésamo e ovas -  provaram que no Saikõ só se usa produtos de alta qualidade e que a fusão aqui não é usada para esconder a falta de frescura do peixe, mas sim para dar texturas e sabores diferentes a cada peça.

 

 

 

A seguir veio um dos pratos principais e uma das maiores bombas sensoriais da refeição. O Gunkan Hotate (atum, maionese de gengibre, vieiras braseadas, ovas), Gunkan Shiromi (peixe branco, molho dengaku, picadinho de peixe branco, ovas) e o Gunkan Egg: um rolo de salmão braseado que esconde um ovo de codorniz que explode à primeira dentada.

 

Mas a criatividade não acaba por aqui. O Uramaki Hakusai não deixou dúvidas, foi em uníssono que ganhou o voto de prato preferido do jantar. Uma peça com combinações completamente improváveis, mas que rimam tão perfeitamente que é difícil de descrever. Leva pasta de salmão, envolvida em couve lombarda, queijo creme e polvilhada com flocos de milho tostados.

 

Por fim, ainda houve espaço para provar o Especial Saikõ que era composto por camarões panados, salmão braseado, maionese japonesa, pepino, ovas, cebolinho e molho tarê.

 

 

A única coisa que o Saikõ tem de melhorar é nas sobremesas. Apesar de estarem acima da média de sobremesas dos restaurantes japoneses, a elevada criatividade que sentimos durante todo o jantar não se espelha nesta parte da refeição. Provei a mousse de maracujá e o gelado de chá verde.

 

O preço médio é de 35 euros por pessoa, algo completamente justo para a qualidade dos produtos e do serviço. 

 

Saikō Campo Pequeno Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

Segue-me nas redes sociais:

Facebook | Instagram

 

20
Jun17

Este Oeste, uma mesa italo-japonesa

No Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, há um espaço gastronómico de fusão entre duas culturas muito distintas: japonesa e italiana.Soa estranho, mas a verdade é que esta imprevisível parceria entre a pizzaria Casavostra, de Almancil, no Algarve, e o lisboeta SushiCafé funciona muito bem.

 

O Este Oeste oferece aos clientes uma combinação irresistível de sushi, massas e pizzas em forno de lenha, e pratos confecionados à frente do cliente numa cozinha aberta para a sala do restaurante. Além dos sabores multiculturais, que por vezes até se juntam num só prato, a decoração foi inspirada em características estéticas do oriente e ocidente. No centro da sala há uma instalação com pássaros de origami, numa das paredes plantas, noutra livros e as mesas têm um generoso espaço entre si que faz com que os clientes se sintam à vontade, até para ter as conversas mais íntimas.

 

Desta vez fiquei apenas pela carta japonesa, o sushi e o sashimi estavam frescos e bem confeccionados. Numa próxima visita quero experimentar os pratos de massa que também parecem ser uma delícia. Terminei este jantar em grande com a mousse de oreo com fruta e crocante de bolacha siciliana de limão. É só uma maravilha!

 

Além do restaurante, o Este Oeste tem também um espaço de cafetaria e bar, onde pode lanchar, beber um café ou um copo e uma esplanada com vista para o rio Tejo onde por vezes se realizam eventos e tardes de jazz.

 

Informações:

Facebook Este Oeste

Horário:Todos os dias das 10h00 às 23h00 (sextas e sábados até às 00h00)

Morada: Centro Cultural de Belém, Lisboa

 

Este Oeste Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

 

Através da MyGon pode saber mais e ver se há promoções disponíveis neste espaço aqui

 

Saiba mais sobre o restaurante Este Oeste no meu artigo publicado no site do Correio da Manhã aqui

Quem é a 'Perdida'?

Perdida nas redes

Perdida no Facebook

Perdida na Zomato

Vê a minha história gastronómica na Zomato!

Perdida pelo Instagram

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.