Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Perdida por Lisboa

A capital vista pelos olhos de uma açoriana...

Perdida por Lisboa

22
Mar19

10 coisas que tens mesmo de fazer esta Primavera em Lisboa

florin-tomozei-476232-unsplash.jpg                                                                                                                Photo by Florin Tomozei on Unsplash

 

A Primavera chegou e com ela mil e um planos ao ar livre (e não só) para fazeres em Lisboa. Não deixes que o pólen e as alergias te parem! Aproveita cada momento desta colorida estação para conheceres ainda melhor a capital portuguesa e tudo o que ela te oferece. Se não sabes por onde começar, aqui ficam 10 coisas que não podes mesmo perder:

 

1.Visitar a exposição mais vista da National Geographic

Se és fã de animais e de fotografia não podes mesmo perder a exposição Photo Ark – A Nova Arca de Noé. É a mais visitada da National Geographic em todo o mundo, conta com mais de 100 fotografias de Joel Sartore e vai estar até maio na Cordoaria Nacional. O bilhete custa 9€ para adultos e 5€ para crianças. Para saberes mais clica aqui

 

2.Relaxar no terraço da Pollux

Com a chegada do bom tempo começa a corrida às esplanadas e terraços da capital. O difícil encontrar uma mesa com cadeiras disponíveis para usufruir dos aconchegantes raios solares primaveris. Mas vou contar-te um segredo. No último andar da loja da Pollux, em plena Baixa Pombalina, há um terraço escondido com uma das melhores vistas de Lisboa. Chama-se Less e está aberto todos os dias, menos ao domingo e aos feriados, das 10h às 19h00.

 

3.Passear pelo Jardim do Rio e jantar em Cacilhas

Almada.jpg

 

Quem passeia pelo Cais do Sodré não se apercebe que da outra margem do rio há um jardim onde as cestas de piquenique escondem pedidos de namoro e beijinhos. O Jardim do Rio (foto acima) refugia-se entre a falésia de Almada e o Tejo. Para lá chegar é preciso passar pelas ruas cheias de história de Almada velha e pela Boca do Vento. Ao descer a encosta, Lisboa começa a revelar toda a sua beleza perante a Margem Sul. E é ao pôr-do-sol que este jardim ribeirinho oferece toda a sua graça. A brisa do Tejo e o cheiro da relva tornam-se mais intensos, assim como as cores dos telhados e dos edifícios da capital se tornam ainda mais bonitos. O lusco-fusco dá-nos a sensação que tempo parou e até os veleiros que navegam no Tejo parecem avançar em câmara lenta, uma comunhão que nos apazigua os sentidos. Quando a fome começar a apertar, dá um saltinho a Cacilhas. Há inúmeros restaurantes a preços apetecíveis com peixe e marisco acabado de sair do mar.

 

4. Assistir a um espetáculo imersivo sobre a história de Portugal nas Ruínas do Carmo

As Ruínas da Igreja do Carmo vão voltar a receber o espetáculo de projeções sobre a história de Portugal - Lisbon Under Stars - que o ano passado recebeu mais de 30 mil visitantes e foi considerado o Melhor Evento Cultural de 2018. O evento volta de 2 de maio a 17 de junho, das 21h30 às 22h45, e conta com uma mistura de projeções multimédia, bailarinos virtuais e efeitos visuais com uma banda sonora constituída por músicas de artistas portugueses como Zeca Afonso, Amália Rodrigues e Salvador Sobral. Os bilhetes custam 15€, mas se comprares já podes ter um desconto (sabe mais aqui).

 

5.Descer às Galerias Romanas da Rua da Prata

É das visitas mais esperadas e procuradas da capital e os bilhetes esgotam num ápice, por isso fica atento às datas, divulgadas na página de Facebook do Museu de Lisboa, se queres conhecer este local emblemático. As visitas realizam-se nos dias 29, 30 e 31 de março, entre as 10h e as 19h e são sujeitas a marcação prévia. A inscrição custa 2€.

 

6.Conhecer as novas crias do Zoo de Lisboa

 

Primavera é sinónimo de nascimentos, por isso se ficas derretido com animais bebés, a melhor altura para (re)visitares o Jardim Zoológico de Lisboa é esta. Em breve há novidades, mas para já tens três novas crias de pinguim-do-cabo que prometem aquecer até os corações mais frios. Recorda aqui o post que escrevi sobre esta Arca de Noé.

 

7.Ver como funciona o cérebro na Gulbenkian

Além dos fantásticos jardins sobre os quais já te falei aqui e que convidam a um passeio primaveril, a Fundação Calouste Gulbenkian recebe esta Primavera a divertida mostra ‘Cérebro: Mais vasto que o Céu’. A exposição está patente todos os dias, exceto às terças, entre as 10h e as 18h, até dia 10 de junho e conta com um cérebro com 500 milhões de anos, um cérebro moderno, dois neurónios gigantes e vários jogos. A entrada custa 5€.

 

8. Andar de trotinete (com 50% de desconto)

gabriel-alenius-1242626-unsplash.jpg

                                                                                                                                                                                 Photo by Gabriel Alenius on Unsplash

 

Nos últimos meses Lisboa foi invadida por trotinetes. Polémicas à parte, a verdade é que é bem divertido dar uma voltinha de trotinete pela capital. E agora, se estacionares nos locais corretos, tens 50% de desconto nas trotinetes da Flash.

 

9.Exercitar o corpo (e a alma) no Jamor

Veste o fato de treino e calça os ténis porque o Parque Urbano do Jamor é um autêntico ginásio ao ar livre. Tem pistas para correres entre as zonas verdes, aparelhos de exercício e até uma zona de recreio para os mais pequenos. E o melhor? Tudo gratuito.

 

10. Caminhar pelo Jardim Botânico de Lisboa

Vegetação, árvores e muitas flores é o que te reserva o Jardim Botânico de Lisboa nesta altura do ano. Este espaço verde de 4 mil hectares, com cerca de 1500 espécies botânicas diferentes, e localizado no Príncipe Real foi construído entre 1873 e 1878. Recentemente foi alvo de obras que o tornaram ainda mais bonito. O Jardim Botânico está aberto todos os dias das 9h às 17, de outubro a março, e das 9h às 20h de abril a outubro.

 

07
Mar17

Le Chat, uma das melhores esplanadas de Lisboa

Le Chat2.jpg

É junto ao Museu de Arte Antiga, de costas para o jardim 9 de abril e de frente para o rio Tejo que fica uma das mais cosmopolitas e imperdíveis esplanadas de Lisboa.

 

O Le Chat é um autêntico postal ilustrado. Visto da 24 de Julho é um espaço chamativo e refletor, o que contrasta com o seu interior simples e descontraído onde poderá ter bons momentos de reflexão. Não é por acaso que este edifício já conquistou um prémio ibérico de arquitetura. Mas o Le Chat é mais do que um deslumbrante espaço.

 

Com o Tejo aos pés, Almada à vista, o Cristo Rei de um lado e a ponte 25 de Abril do outro, seja com sol ou com chuva, a vista é apaixonante, principalmente, se juntar a irrepreensível sangria de espumante com frutos vermelhos ou um dos provocantes cocktails disponíveis.

Le Chat1.jpg

Na carta, há sempre pratos leves e renovados que mudam com a estação. No final de fevereiro passei por lá  e experimentei as bolinhas de sapateira&caranguejo com maionese de citrinos, o pica pau de atum com molho de citrinos e tostinhas, as chips de batata doce com ketchup caseiro e a salada de quinoa. Tudo delicioso e perfeitamente confeccionado. Para sobremesa aconselho o bolo de chocolate com gelado de baunillha&caramelo salgado. É, provavelmente, o melhor bolo de chocolate que já comi.

 

Agora imagine isto tudo, ao pôr do sol e com música jazz ao vivo.

 

Informações:

Facebook Le Chat

Horário:

 Todos os dias do 12h30 à 2h00 (ao domingo fecha às 00h00)

Morada: Jardim 9 de Abril, Janelas Verdes, Santos (estação de comboio: Santos)

 

Le Chat - Food & Cocktail Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

 

 

Através da MyGon pode saber mais, ver as promoções disponíveis e até reservar mesa neste restaurante, basta clicar aqui

 

Saiba mais sobre o Le Chat no meu artigo publicado no site do Correio da Manhã aqui

 

29
Mar15

A nova Ribeira das Naus

 

Entre o Terreiro do Paço e o Cais do Sodré localiza-se uma das minhas zonas preferidas de Lisboa.

 

A nova Ribeira das Naus foi inaugurada no verão de 2014, mas já antes era frequentada por amigos à procura de um lugar com “boa onda” ou por apaixonados que, agarradinhos, vêem o pôr do sol.

 

Ao fim de semana, as mesas do quiosque são poucas para tantas pessoas que por aqui passeiam, mas tem sempre o jardim ou as escadinhas à beira-rio onde pode colocar a conversa em dia enquanto ouve alguns acordes dos artistas de rua que por lá passam.

 

Apesar de ser um passeio bonito a qualquer hora do dia, as minhas horas preferidas são ao final do dia para apreciar o pôr do sol no Tejo ou, no verão, à noite para apreciar a lua, as estrelas e a companhia.

 

Ah! E é o local que é ideal para um primeiro encontro ;)

15
Mai14

Miradouro Sophia de Mello Breyner Andresen

 

Mais conhecido por miradouro da Graça, o miradouro Sophia de Mello Breyner Andresen – poetisa falecida em 2004 que passou muitos dos seus dias a admirar Lisboa deste lugar – é um dos locais preferidos dos jovens e turistas para observar a cidade das 7 colinas.

 

Para lá chegar o melhor é apanhar o 28 - o elétrico mais afamado da capital -, mas se tiver tempo e calçado confortável pode sempre subir a pé por Alfama e aproveitar para conhecer um pouco deste tão característico bairro.

 

Ao chegar ao local, situado na Colina de Santo André, sente-se na esplanada dos Quiosques da Graça, peça uma limonada fresquinha e aprecie a panorâmica e o ambiente. A vista alcança os bairros antigos da Mouraria e Alfama, a Baixa Pombalina, o Castelo de São Jorge e o rio Tejo. Atrás, um antigo mosteiro e uma igreja construídos em 1271 e reconstruídos após o terramoto de 1755. Por cima, pinheiros que dão sombra e permitem refrescar o local nos dias mais quentes. A toda a volta, um ambiente descontraído, calmo e animado por vezes matizado de música e gargalhadas.

  

Coordenadas:

Largo da Graça

1199-019 Lisboa

 

 GPS

 Latitude: 38.715383
 Longitude: -9.131160

 

 Elétrico 28

 

07
Mai14

Miradouro de Santa Luzia

O miradouro de Santa Luzia é na minha opinião um dos miradouros mais românticos de Lisboa. Localiza-se na encosta da colina do Castelo de São Jorge, no Largo de Santa Luzia, junto a uma pequena igreja branca.

 

É um pequeno terraço ajardinado com uma grande vista sobre Alfama e o rio Tejo. Entre os painéis de azulejos -  que retratam a conquista do Castelo de São Jorge, em 1147, e a Praça do Comércio antes do terramoto de 1755 -  encontramos muitas vezes casais de namorados sentados debaixo das videiras que entre um beijinho, um abraço e uma fotografia apreciam a imponente paisagem.

 

 

 Coordenadas:

  Rua do Limoeiro
  1100-308 Lisboa
 

  GPS

  Latitude: 38.711703
  Longitude: -9.130251
 
  Elétrico 28
 
 

    

 

Quem é a 'Perdida'?

Perdida nas redes

Perdida no Facebook

Perdida na Zomato

Vê a minha história gastronómica na Zomato!

Perdida pelo Instagram

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.